• Dra. Gislaine D'Assumpção
  • Dra. Gislaine D'Assumpção
  • Dra. Gislaine D'Assumpção

A Décima Segunda Profecia PDF Imprimir E-mail

A NOVA HUMANIDADE

Síntese do livro de James Redfield – “A Décima Segunda Profecia”.
Neste livro James Redfield não fala de apocalipse, ele aborda o tema do desenvolvimentoo da consciência.

O documento descreve várias capacidades humanas que ainda não desenvolvemos. É isso que parece ser seu tópico central. Cada parte é dedicada ao que o texto chama de “integração” do conhecimento espiritual e se refere diretamente aos sinais da velha profecia.
Isso significa que o autor desse Documento, quem quer que seja, precisaria conhecer a Profecia, naquele tempo antigo.
Que é algum tipo de texto de apoio, como se fosse um guia. Há 11 partes deste Documento que vieram a público, e cada uma delas é focada em uma integração específica do conhecimento. E o Documento fala sobre uma Décima Segunda...
O Documento diz que cada integração deve ser assimilada na ordem correta, uma depois da outra, começando com a primeira: aprender a sustentar a Sincronicidade.

O Documento fala de maneira bastante direta.  O texto diz que, durante o período atual da História, a vida material fácil vai se tornar cada vez mais difícil, com fortes problemas financeiros e sociais. Mesmo assim, todos os desafios estão causando um despertar espiritual ainda maior nas pessoas, em que podemos vislumbrar muitos novos dons e percepções.

Mas cada um de nós tem que tomar uma decisão. Vamos nos abrir a uma espiritualidade mais profunda, ou nos deixar dominar  pelo medo e pelos preconceitos? É um desafio focado na coragem, mas também em uma questão prática. De certa forma,  os eventos estão nos forçando a colocar nossas crenças em ação.
A única maneira de sobreviver a uma confusão tão grande quanto esta que enfrentamos no mundo atual é buscar uma maneira diferente de viver.

Primeira Integração
O Documento diz que o primeiro dom que irá se manifestar é a capacidade de sustentar o Fluxo da Sincronicidade. Quando as coincidências misteriosas começarem a acontecer com mais frequência, aprenderemos que estamos sendo guiados, e até mesmo protegidos dos perigos deste período histórico.

O Documento diz que os primeiros, entre nós, que descobrirem como sustentar este fluxo e integrar esse conhecimento irão facilitar a transição para que outras pessoas consigam se abrir ao fluxo posteriormente, simplesmente pela influência que nós temos.
Se um número muito grande de pessoas não conseguir evoluir nesse aspecto, o conhecimento pode não se tornar realidade e se perder em meio à história da humanidade.

O Documento é focado na experiência sincronística, porque esse é o fenômeno que leva cada um de nós adiante na vida. Se tornarmos essa experiência mais consistente, então perceberemos que nossas vidas estão tentando evoluir em uma direção predeterminada.

Quando entramos em um fluxo de Sincronicidade, a clareza e a vivacidade tomam conta de nós. Quando saímos desse fluxo, perdemos essas sensações.
A questão é que finalmente temos a oportunidade de alcançar uma clareza maior, não somente a respeito do fenômeno da Sincronicidade, como também sobre toda a nossa natureza espiritual. E, se não o fizermos, então todo o nosso futuro e o futuro de nossos filhos podem tomar um curso totalmente diferente.

O Documento fala que para permanecer no Fluxo da Sincronicidade temos que fazer é aprender a nos lembrar.  Que esse fluxo é possível! Que ele existe!

Na prática, tudo se resume a ter uma expectativa consciente da próxima ocorrência da Sincronicidade, o que significa que devemos assumir uma postura de “prontidão baseada na expectativa”. Não é fácil chegar a esse estado neste momento, porque sempre pensamos que estamos atrasados, sempre pensamos que temos coisas demais a fazer. Mas alcançar e permanecer neste estado de prontidão nos ajuda imediatamente, porque ele tem o efeito de “diminuir a velocidade” do tempo.
Diminuir a velocidade do tempo é algo bom nos dias de hoje, porque muitos de nós se sentem sobrecarregados pelos problemas que vêm em nossa direção, na velocidade da luz. Se conseguirmos diminuir a velocidade de tudo que está em nosso redor e esperar até que um evento sincronístico nos mostre qual é o melhor caminho, fica mais fácil lidar com a vida.

E quando todas as coincidências misteriosas estiverem acontecendo e nosso destino estiver se desdobrando, tudo o que nos resta é permanecer nesse fluxo.
E, para conseguir fazer isso, temos de aprender a comunicar aos outros aquilo que está acontecendo conosco.
É preciso simplesmente mostrar a verdade da situação conforme você a enxerga, com o propósito principal de se manter centrado no fluxo.

Se você  quiser seguir com o plano de encontrar as integrações, o início está em se concentrar para dizer a verdade absoluta, para si mesmo e para os outros, sobre o que está acontecendo com você. Não importa o quanto pareça esotérico.
Apenas diga a verdade. Diga que você acredita que há sentido em coincidências e que elas ocorrem por alguma razão.

Segunda Integração
O Documento diz que, se você se comprometer a manter a integridade de sua verdade, isso incluirá intuitivamente todas as ideias que surgirem sobre o que você deve dizer, mesmo que nunca tenha pensado nelas anteriormente.

Quando a interação humana é feita em meio a uma verdade centrada e sincronística, este processo de troca de perspectivas sobre o mundo é elevado até atingir um estado de consciência plena. O nome que o Documento dava a essa interação mais sensível era “diálogo consciente”.

O Documento dizia que o nível do diálogo, assim como a consciência dos participantes, são elevados quando ambas as pessoas têm consciência do “contexto histórico” no qual o intercambio de ideias está inserido.
A antiga Profecia previa que, algum dia, conseguiríamos manter essa história estendida em nossas mentes com mais facilidade, como um contexto abrangente para nossas atividades diárias.  E, quando isso ocorresse, essas compreensão  histórica, por si só, transformaria completamente a vida de cada indivíduo. Além disso, nos manteria totalmente despertos para o lado espiritual da existência.

A Primeira Integração nos mostrou que esperar pela Sincronicidade e dizer a verdade absoluta às pessoas fazia com que essas coincidências misteriosas continuassem a acontecer. E, agora, a Segunda Integração diz que, se todos estivessem  fazendo o mesmo, agindo de acordo com o despertar, nós descobriríamos o que precisávamos saber.

O texto diz que cada um de nós deve, antes de qualquer outra coisa, provar a si mesmo que sua conclusão sobre a espiritualidade realmente funciona, antes de transmiti-la a outros como verdade. e, como estamos acrescentando conhecimento  espiritual à nossa realidade secular, devemos usar o processo da evidência lógica conforme prosseguimos.

O Documento também afirma que, quando nos sentimos convencidos de que nossas experiências espirituais são verdadeiras, devemos vivenciá-las de maneira plena e aberta, e falar a todos sobre elas. Se realmente houver uma influência, e acredito que há, isso vai ajudar todas as pessoas a alcançarem um nível superior de consciência mais rapidamente.

Terceira Integração
O texto diz que, quando as pessoas, em qualquer cultura, começam  a despertar e manter Diálogos Conscientes, elas rapidamente descobrem que os “princípios” espirituais fundamentais estão mesclados à estrutura do Universo.
Ele disse que descobriríamos as leis da nossa natureza espiritual.
A Terceira diz que essas leis já foram descobertas. E, para avançar, precisamos somente prová-las em nossas vidas. Quando isso acontecer, entraremos em “alinhamento” com elas. E também afirma que, durante esse período, teremos motivações extras para fazer exatamente isso.

Leis Fundamentais dos Hopis

A Lei da Verdade. Nós a usamos para manter nossa Sincronicidade funcionando, e ela governa a situação quando trocamos verdades durante Diálogos Conscientes. Mesmo assim, lembre-se de que é fácil permanecer na verdade quando a Sincronicidade está fluindo para ajudá-lo. É muito mais difícil manter o hábito quando os problemas econômicos ganham força.

Em níveis mais elevados de consciência, não é aceitável que haja qualquer tipo de mentira ou distorção. A Lei da Verdade é absoluta. Se não permanecermos absolutamente honestos, as mentiras afetam a todos: a nós, individualmente, porque fazem com que nossa clareza e energia desmoronem; e às outras pessoas, porque fracassamos na tentativa de lhes dar o benefício de nossa verdade e influência positiva.
Isso nos leva ao próximo princípio espiritual que os hopis me ensinaram: a Lei da Conexão.

O Documento diz que o carma é real e, em nossa época, o carma reage às nossas ações de maneira mais rápida do que antigamente.

O Documento diz que, quando um número suficiente de pessoas entre nós perceber que é assim que o carma funciona, seremos guiados  a uma nova era de Integridade, que vai substituir a corrupção que temos agora. E não é só isso. É importante perceber que o propósito da Lei do Carma não é punir ninguém, mas promover uma correção positiva. Aparentemente, as coisas funcionam assim: o Universo está espiritualmente programado para apoiar e estimular nosso crescimento espiritual. Se você se centrar na verdade, sua Sincronicidade vai se elevar a níveis inacreditáveis. Se você agir sem sinceridade, atrairá para a sua vida pessoas que agirão da mesma forma com você. Novamente, isso não é um castigo, mas acontece para mostrar essa sensação a você. De modo que possa voltar a agir de acordo com a verdade.

O Documento diz que a reação do carma fica ainda mais extrema, de modo a atrair nossa atenção. Novamente, é algo que também podemos provar a nós mesmos neste momento da História. Tudo que temos que fazer é prestar atenção ao que acontece em relação ao próprio comportamento.

O Documento afirma que, conforme a consciência espiritual se elevar, aprenderemos a detectar os presságios e as premonições que nos permitirão evitar acidentes e ataques iminentes. Disseram que vamos chegar a esse nível na Quarta e na Quinta Integração.

Esta é a chamada Lei do Auxílio. Novamente, está embutida na maneira como o Universo funciona e em como nossas mentes foram criadas. De algum modo, sabemos o que as pessoas a nosso redor precisam e, quando agimos em resposta a isso, entramos em alinhamento com essa Lei. Tudo que você precisa fazer é pensar: “Como posso ajudar?”. Alguma coisa sempre vai surgir em sua mente. Todos os recursos que precisa estarão à sua disposição para que preste auxílio, e você se sentirá como se estivesse sempre no lugar certo, na hora certa, para fazer a diferença.

Qualquer pessoa que observa sinceramente pode enxergar com a mesma clareza em sua própria vida. É o próximo passo em nosso despertar. Durante esta era material, passamos a pensar que algumas mentiras, uma pequena distorção da verdade, são coisas naturais e que devemos até mesmo esperar que aconteçam. É assim que os políticos se elegem. Contratos com letras miúdas são a regra, em vez de a exceção.

Quando você busca o Alinhamento e pensa em como pode auxiliar os outros, começa a atrair pessoas para a sua vida que estão lá para o ajudar. E é nesse momento que sua Sincronicidade e seus sonhos realmente começam a se tornar realidade.

Quando todas as pessoas entenderem isso, o mundo humano vai se alterar imediatamente. As empresas mudarão sua maneira de funcionar. Fazer negócios de acordo com o Alinhamento significa sempre dizer a verdade sobre os produtos e ter sempre a mentalidade de ajudar as pessoas. E, se você agir assim, outras pessoas que precisam daquilo que você oferece surgirão misteriosamente.
É apenas parte do processo de auxiliar os outros. O dinheiro é apenas uma forma de energia armazenada, e ele segue o fluxo do carma na vida de uma pessoa. Se você manipular outras pessoas para conseguir dinheiro, será manipulado e ficará sem dinheiro, ou, então, repentinamente passará por uma série de problemas financeiros ou despesas inesperadas.  Pagar o dízimo é um modo de endireitar rapidamente um navio que está adernando. Em vez de gastar cada centavo que tem, prove-se de algumas coisas e economize 10% de sua renda a cada mês.

Em seguida, aguarde até sentir uma intuição sobre alguém a quem possa dar esse dinheiro. Essa intuição virá até você. Alguém que precisa de um anjo cruzará seu caminho e você sentirá a emoção de poder prestar auxílio a essa pessoa. E, novamente, isso vai acelerar o fluxo de auxílio que retornará para você. Você terá mais oportunidades de ter sucesso.

A Quarta Integração
Provavelmente, é a parte mais importante dos Fundamentos, porque nos mostrará o que realmente está em jogo. Quando conseguirmos permanecer alinhados, na verdade, veremos o quanto alguns sistemas baseados em mentiras estão enraizados no mundo. Não podemos ir adiante até entendermos essas ideologias, que crescem a cada dia, e percebermos os perigos das polarizações.  Somente nesse momento saberemos como nos separar de todas essas inverdades e chegar a um lugar onde poderemos nos levantar e resistir a elas.

O Documento diz  que o perigo está na polarização crescente do pensamento político, quando cada vez mais pessoas assumem posturas extremadas.  Essa situação é muito perigosa. Os dois lados podem ficar violentos ou despóticos. O texto afirma que as pessoas que estiverem em Alinhamento devem encontrar uma maneira de resistir àquelas que defendem ideologias extremas por meio da criação de um centro novo e iluminado, devotado à verdade. Ele diz que isso é especialmente verdadeiro quando se confronta a ideologia religiosa.

O Documento diz que a ideologia religiosa também crescerá durante a nossa época. Nesse período, no qual muitas pessoas querem uma discussão aberta sobre a espiritualidade para que possamos chegar a um consenso sobre a nossa natureza espiritual, muitos dos membros das religiões tradicionais começarão a se sentir ameaçados. E, ao se esforçarem para defender suas doutrinas,  também assumirão atitudes extremadas, chegando até mesmo ao ponto de desistir de tudo e desejar o fim do mundo.

O Documento afirma que aqueles de nós que estiverem em Alinhamento, mantendo uma posição central baseada na verdade, precisam conseguir alcançá-los.
- E o que isso significa?
- O texto explica que uma quantidade suficiente de pessoas entre nós precisa passar pelas Integrações até que tenhamos influência bastante para persuadi-los de que o Alinhamento é o único caminho, antes que seja tarde demais. As pessoas podem mudar em um piscar de olhos.

Há um último aspecto na Quarta.  Todos nós devemos admitir que não podemos reunir influência suficiente, sozinhos, para resistir a essas pessoas. O texto diz que temos de alcançar uma parte maior de nós mesmos e encontrar nossa própria “proteção”.

A Quinta Integração
Afirma que não precisamos nos lembrar dela. Temos apenas que continuar integrando os passos que ainda restam e voltaremos a senti-la. Você sabe: a Ascensão à Influência, sobre a qual o Documento fala, a única parte da experiência, é a sensação de amor e proteção.

A Quinta Integração completa o que a Quarta estabeleceu.  Se pretendemos manter a verdade e permanecer em Alinhamento para enfrentar as inverdades ideológicas mais perigosas, algo se abre em nossos cérebros para reverenciar essas ações.  Sabemos que não podemos enfrentar esse tipo de perigo sozinhos, apenas com a força do nosso ego. Ninguém é capaz de fazer isso.  Mesmo assim, reconhecer essa realidade ativa uma rota que já está lá e nós sentimos uma Revelação, que nos leva a uma Conexão Divina, com as premonições e a Sincronicidade necessárias para estarmos protegidos.

A humanidade conseguirá, algum dia,  estar tão consciente sobre nossas premonições, de modo que todos soubéssemos, por exemplo, o momento de abandonar uma cidade e buscar um  terreno mais alto, antes que uma tsunami ou um terremoto nos atingissem, assim como os animais fazem?

O Documento diz que, quando alguém passar pela experiência da Revelação e chegar à Conexão com Deus, essa pessoa irá concluir os Fundamentos da Espiritualidade, uma base estável para a consciência, de onde poderemos prosseguir, se assim quisermos, com as outras Integrações. Uma jornada chamada de Ascensão à Influência.
O Documento descreve essa ascensão como uma recaptura sistemática da Conexão Divina plena, parte por parte, enquanto elevamos nossa consciência de volta àquele estado mais elevado. Ela culmina com a descoberta do Décimo Segundo Sinal e, nesse ponto, seremos capazes de manter essa consciência.

Entretanto, o texto diz muito claramente que todas as pessoas ao seu redor, durante o momento da Revelação, estão ali por uma razão importante. Elas representam um grupo que pode ajudá-lo a se mover mais rapidamente através das Integrações que ainda precisam ser alcançadas. E, de acordo com o Documento, elas também têm outro propósito importante: juntas, podem formar o que ele denomina um Modelo de Acordo, que desempenha a função de concordar verdadeiramente sobre cada uma das Integrações e influenciar os outros com o poder desse acordo.
Esses grupos-modelos são muito importantes, porque, sendo compostos por pessoas que representam diferentes tradições religiosas, agem para contrabalançar e neutralizar a polarização e o ódio perigoso que estão crescendo entre os extremistas religiosos do mundo.
Os  modelos têm  um efeito forte nos extremistas porque, conforme avançamos pelas Integrações que ainda restam e aumentamos nossa influência, estaremos transmitindo uma verdade central para o resto do mundo: o fato de que, em sua essência, todas as religiões representam a mesma experiência da Conexão com Deus que a maioria de nós já compartilhou. Quando reconhecemos a verdadeira natureza dessa experiência comum, ela pode ajudar a reconciliar as diferenças entre as religiões e fazer com que se unam. Lembrem-se: a verdade é contagiosa.

Assim como aconteceu com as Integrações anteriores, é preciso que um número suficiente de pessoas avance pelos estágios restantes, para que a Influencia ganhe força o bastante para contrabalançar os perigos que estão crescendo  rapidamente pelo mundo. Não agir significa mandar outro tipo de mensagem: a de que estamos desistindo do mundo.

O Documento diz que um grupo-modelo não pode avançar até que todos os seus membros percebam que sua verdadeira missão é se envolver com essa questão.

Outras profecias sobre o fim dos tempos, especialmente o Arrebatamento – fala que todos os fiéis seriam elevados em corpo espiritual e protegidos das consequências do Armagedom. A maioria das tradições religiosas tem algum ideal parecido com o Arrebatamento nas próprias profecias.
De acordo com os maias, entraremos em uma época na qual a iluminação é algo mais facilmente alcançável, mas isso não será  imposto às pessoas.  Precisamos perceber que a busca compartilhada por todos os que  estão vivos hoje envolve essa consciência mais elevada. 
O Documento diz que, quando os membros de um grupo captarem a realidade de uma Conexão Divina, eles entenderão que ela é a mesma para todos, independente da sua formação religiosa. E serão capazes de perceber outra coisa, também: que cada religião do mundo enfatiza apenas alguns aspectos dessa experiência. Outros elementos são minimizados e alguns são descartados completamente.


Sexta Integração
O texto diz que outra tradição também deve fazer parte da reconciliação entre as religiões. Uma que se esforce para explorar a espiritualidade através de uma lente e que busque ser tão objetiva quanto possível.

O Documento discute alguns consensos básicos que precisam ser alcançados antes que um grupo-modelo possa avançar, e esses consensos são fundamentais para que o processo seja efetivo.
Um deles é este: não podemos, de maneira alguma, pensar que os fiéis de qualquer tradição devam abrir mão de sua crença no caminho que escolheram. Mas eles devem buscar integrar o que houver de melhor nas outras religiões.
- Outro consenso é o de que ninguém deve pensar que seu caminho é a única maneira de alcançar a Conexão Divina. Lembrem-se de que  todos nós tivemos a sensação da Revelação apesar das perspectivas religiosas diferentes que trazíamos conosco. A Conexão ocorreu porque estávamos no mesmo lugar e com a mesma disposição, e precisávamos nos abrir para uma Consciência Divina maior.

O texto diz que devemos começar com um foco no elemento da Experiência Divina que marcou nossas memórias com mais intensidade.

Tudo que precisamos fazer para manter a Quinta e a Sexta Integração é nos lembrar de qual era a sensação que esses elementos nos causaram e tentar voltar para ela, se eles fossem perdidos. Se perdermos a Conexão com o amor, por exemplo, isso ocorre porque o sentimento foi substituído por uma das emoções inferiores. Esforcem-se para retornar ao sentimento de amor, a emoção primária da Conexão, e essas outras emoções acabarão por desaparecer. Em seguida, quando estiverem imersos no amor, a Proteção e a missão também se apresentarão a nós. A chave para prosseguir é escutar.

De acordo com o texto, a sensação causada pelos momentos de Sincronicidade era similar a estar no lugar certo, no momento certo,  para perceber informações importantes. Entretanto, se observarmos mais atentamente, podemos perceber que esses momentos sincronísticos são precedidos por um impulso intuitivo que nos guia a algum lugar, ou a dizer alguma coisa, que resulta na Sincronicidade. Em vários momentos da História, em momentos de grandes descobertas e realizações, as pessoas seguiram esses impulsos. Mesmo assim, tudo sempre aconteceu de maneira mais ou menos inconsciente.
O Documento prosseguia, afirmando que chegou a hora de despertar de trazer a parte intuitiva da Sincronicidade mais plenamente para a consciência. A chave para isso é confiar nas intuições que são parte desse processo e esperar que elas aconteçam. E, para poder fazer isso, precisamos identificar essas orientações adequadamente, aprendendo a distinguir nossos pensamentos “orientadores” dos pensamentos mais “alimentadores de ego” comuns.
O Documento esclarecia que pensamentos alimentadores do ego são palavras que dizemos a nós mesmos, sobre nossa situação,  para avaliar logicamente como conseguir fazer certas coisas em nosso mundo. Esses pensamentos surgem espontaneamente, baseados em anos e anos de aprendizado.
Entretanto, o Documento dizia que, se observarmos atentamente, podemos começar a distinguir outro tipo de pensamento, um que parece ser mais espontâneo. Aparentemente, são ideias que simplesmente surgem em nossas mentes, geralmente sem qualquer conexão direta com uma análise lógica. São pensamentos que frequentemente surgem como imagens de nós mesmos fazendo alguma coisa, ou uma sensação que nos impulsiona a tomar uma atitude, algo que sentimos em nosso estômago. O Documento chama esses pensamentos de orientações. Se os seguirmos, eles geralmente nos levam a uma Sincronicidade importante.

A chave para conseguir se tornar plenamente consciente desses pensamentos é permanecer o máximo possível neste estado de percepção, para que a próxima intuição orientadora chegue. A orientação era não deixar que um  pressentimento ou imagem passassem despercebidos – era preciso considerar cada um seriamente. Como antes, o texto reiterava que, como estamos em uma transição, acrescentando aptidões espirituais a uma perspectiva  de mundo racional e orientada pela lógica, nós devemos, primeiro, usar a lógica para encontrar uma maneira de agir de acordo com a intuição.
Uma das dicas para permanecer alerta às orientações é perguntar constantemente a si mesmo: “Por que pensei nisso agora?”

O Documento mencionava outra técnica para usar quando alguém precisa de uma intuição orientadora, ou uma perspectiva maior, em uma situação qualquer em que não houvesse tempo. Em vez de simplesmente esperar, a pessoa pode buscar a orientação ativamente, procurando uma “sintonia”.
Por exemplo, quando se deparar com uma situação em que é preciso decidir se devemos ir a determinado lugar ou não, podemos simplesmente imaginar que já estamos a caminho do lugar e também nossa chegada. O objetivo desse método é perceber se é fácil visualizar a jornada. Se for possível ver a si mesmo chegando até o destino  facilmente, isso significa que é uma boa ideia. Se as imagens desejadas forem difíceis de enxergar, ou se não surgirem de maneira alguma, devemos nos acautelar.
O Documento reforçava que, quando enxergamos o curso de ação certo, existe uma elevação correspondente na energia, ou uma sensação de impulso, como se alguém estivesse inspirado a entrar em ação.
Uma última observação. O texto dizia que podemos usar esse método para nos sintonizar com muitas situações diferentes da vida.

Tudo que temos que fazer é criar expectativas e as coisas acontecem. Depois, precisamos nos manter centrados, como se fôssemos os astros de nosso próprio filme, falando aos outros a verdade sobre o caminho que seguimos e como ele se desdobra. E aí que cada Sincronicidade começa a levar à seguinte.
Depois percebemos como a Segunda Integração funciona e como devemos tentar encontrar uma verdade maior com os outros, mesmo em encontros que não sejam muito confortáveis.
A Terceira Integração nos revelou uma imagem ainda maior do que acontece quando continuamos com essa verdade centrada,  mostrando-nos que, se agirmos com Sincronicidade, estaremos nos alinhando com a Lei da Verdade e poderemos perceber as outras leis que servem de apoio a este fluxo: Conexão, Carma e Auxílio.
Se conseguimos nos ater à nossa verdade enquanto ela evolui com as outras pessoas, e nunca mentirmos ou manipularmos, sempre tentando auxiliar, criaremos harmonia com a Lei do carma, evitando suas correções. E naturalmente atrairemos pessoas que virão para nos auxiliar, de modo que avançaremos rapidamente para uma Conexão maior com outras pessoas e com o divino.

A Quarta Integração nos mostrou as coisas que estão em jogo em nossa busca para alcançar essa Conexão espiritual mais profunda. Aqueles que estão presos em uma obsessão secular estão construindo sistemas ainda mais polarizados de inverdade e se tornando cada vez mais extremos em sua desumanização mútua, colocando tudo em perigo.
Felizmente, a Quinta e a Sexta nos mostraram um vislumbre da profundidade que nossa Conexão com o divino pode ter,  onde encontramos o amor e, mais importante que tudo, a Proteção, e uma certeza e consciência de que temos uma missão.  Percebemos que de ajudar uns aos outros a passar pelo restante das Integrações. Agora, devemos descobrir como chegar à Ascensão da Influência e criar esse Modelo de Acordo, que, supostamente, conseguirá alcançar aqueles que têm medo.
E isso nos traz até o presente.

A Sétima Integração
Nos mostrou como ampliar ainda mais a Sincronicidade, seguindo a orientação que surge dentro de nós quando nos sintonizamos.

O texto dizia que essa elevação agora poderia ser expandida, com o auxílio das outras Integrações, unindo as mentes com o eu mais elevado de outra pessoa, de maneira consciente.
O texto dizia que era possível iniciar essa união se aplicássemos o que ele chamava de “A Intenção da Unidade”.
Esse termo, de acordo com o Documento, significava muito mais do que a ideia abstrata expressada por várias tradições religiosas de que  todos éramos um. Ele definia uma maneira inteiramente nova pela qual os seres humanos poderiam se relacionar uns com os outros, cuja efetividade poderia ser imediatamente comprovada por qualquer pessoa. Inclusive, a melhor maneira de entender essa nova maneira de se relacionar era observar atentamente o fenômeno em que pessoas terminam as frases das outras.

O texto dizia que, embora esse talento seja comum, poderia acontecer mais facilmente, mesmo entre estranhos, com a prática do Princípio da Unidade, que deveria estar presente em toda interação humana com a intenção de unir mentes superiores.

Há também outro evento que muitos acreditam que ocorrerá conforme o fim dos tempos se aproxima. No Cristianismo, isso é chamado de Arrebatamento, mas outras tradições também têm uma ideia similar.  É a noção de que, quando a figura messiânica começar a voltar à Terra e o Armagedom tiver início, os corpos dos verdadeiros fiéis serão elevados em espírito e encontrarão a Deus nos céus, onde estarão protegidos.

Nona Integração
O ágape com a Mãe-Terra tem que ser mantido e estimado. E as pessoas precisam comer alimentos limpos para permanecer nesse nível de percepção. Essa é a Nona Integração.
Para manter uma percepção ampliada em relação ao mundo, é preciso simplesmente ter a intenção de se sintonizar, no ágape, com um novo nível de beleza, e praticar a habilidade de enxergar tudo com um único foco. As montanhas se iluminarão.

O Documento diz que podemos começar a nos comunicar com aqueles na pós-vida e eliminar todos os ressentimentos e problemas que temos com eles.  Tudo o que temos a fazer é usar mais nosso poder para nos sintonizar e estabelecer um diálogo. Nunca é tarde demais. E eles têm muito mais coisas para comunicar a nós.
Eles precisam desesperadamente falar conosco,  neste momento, neste ponto crucial da história. Eles conhecem o verdadeiro Plano para o mundo dos humanos e chegou a hora de as pessoas que estão deste lado entenderem.

Nona Integração
Cada objeto à nossa volta tem sua própria identidade sensorial, sua própria sensação de presença em relação a nós. Bem, isso acontece com os humanos também. Toda pessoa tem uma identidade sensorial que podemos detectar emocionalmente.
O problema é que as pessoas que estão imersas  no medo ou em ideologias trazem essas obsessões consigo para a pós-vida. É por isso que é tão importante que nos permaneçamos alinhados e ajudemos outras pessoas na Terra a despertar.
A maior dificuldade é conseguir chegar até aqueles que se apegam de maneira mais ferrenha a várias doutrinas sobre a espiritualidade. Eles pensam que já conhecem a verdade intelectualmente, e esquecem que tem que sentir o amor e abrir suas consciências para alcançar a Conexão Divina.

Todo o propósito da existência humana era transmitir sistematicamente o conhecimento e a consciência conhecidos na pós-vida para a dimensão terrena, de modo a trazer as duas dimensões em uma condição plena de união mútua, junto com a Consciência Divina. Ela levava esse Plano – o propósito maior da vida – dentro da mente, pois certamente sabia o que pessoalmente queria fazer após o nascimento.
Conforme minha sintonia crescia, eu percebia como essa força que impulsionava a Unidade havia ocorrido durante a História. Tudo começou com a criação da própria dimensão terrena, há aproximadamente 16 bilhões de anos, que estabeleceu a chamada plataforma física para nossa jornada coletiva.
No início do Universo, os gases e os primeiros elementos químicos começaram a se agrupar, até que ficaram tão densos que se aqueceram para formar estrelas, as quais viviam e morriam lançando  novos elementos no Universo. Na Terra, esses elementos mais complexos interagiam em poços rasos de água, criados pelo movimento das marés, e, com o mesmo espírito encontrado no impulso para estabelecer a Unidade, cadeias de aminoácidos se aglomeraram para formar células maiores. Mais tarde, essas células começaram a se combinar em organismos pluricelulares, sempre a caminho de um nível cada vez maior de complexidade, e com potencial para alcançar a consciência. No decorrer dos milênios, surgiram peixes, anfíbios, répteis, mamíferos e finalmente os humanos.
Nesse momento, o ponto focal da história da criação passou para a humanidade. Agora, a força por trás do impulso para a Unidade era uma consciência humana sobre o mundo, que se expandia cada vez mais. No decorrer dos milênios, famílias passaram a se agrupar em tribos e aldeias, e depois se aliaram em coalizões regionais, impérios e nações.
A cada passo do caminho, nasciam heróis no reino terreno, vindos da pós-vida. Alguns eram reconhecidos, enquanto outros agiam anonimamente, esforçando-se para fazer com que os avanços alcançados progredissem, mesmo que em incrementos minúsculos. Lentamente, substituímos a ideia de divindades naturais pela de deuses arquetípicos, nos moldes da cultura clássica grega, até finalmente chegarmos à grande verdade do monoteísmo, o conceito de uma única origem divina. No decorrer dos anos, surgiram as três grandes religiões monoteístas: judaísmo, islamismo e cristianismo, cada uma pensando que sua doutrina  era o único caminho a seguir.

Com  os tempos modernos, surgiu o Iluminismo, a ciência e um impulso crescente para unificar o conhecimento humano. Essa consciência planetária começou a progredir durante as últimas décadas do século XX, transformando-se em uma perspectiva maior e mais galáctica, e as questões existenciais ressurgiram, de maneira massificada. O que estamos fazendo aqui? Qual o sentido da vida?
Essa necessidade de respostas espirituais claras criou uma insegurança profunda nas religiões mais antigas. Elas sentiam que suas doutrinas poderiam ser questionadas ou completamente destruídas. As guerras começaram logo depois do início do século XXI, quando uma religião tentava sobrepujar as outras.

A Décima Integração
Era a consciência de que tínhamos o potencial, neste exato momento de nossas vidas, de executar esse plano e trazê-lo completamente para a consciência. Seria o ápice de bilhões de anos de criação.
Os passos  no longo desenvolvimento do Universo eram similares aos Estágios da Criação, profetizados pelo calendário maia.
Os antigos maias tiveram a própria revelação em sua época, quando se lembraram de uma grande parte do plano para a criação. Mesmo  assim, sua cultura ainda estava fora de Alinhamento, e eles sabiam que não poderiam guardar seu conhecimento. Assim, construíram uma linha do tempo para esse Plano, em sua arquitetura de pedra e em suas inscrições, esperando que os humanos do futuro descobrissem e transcrevessem sua mensagem. Foi exatamente isso que ocorreu.
Os maias mostraram que a criação não estava completa, e que outro impulso viria para ajudar a nos unificar completamente, se estivéssemos em Alinhamento e conseguíssemos nos sintonizar.
Alguns estudiosos chamaram esse processo de Consciência Universal. Aparentemente, os maias pensavam que essa era a última fase da Criação, que levará as almas em ambas as dimensões da vida em direção a uma Unidade final. E isso acontecerá, se um número suficiente de pessoas procurar abraçar a causa.

O último passo na Unidade começa com a compreensão do que é esse fenômeno e como se conectar com ele de maneira mais plena. Agora, estamos prontos para descobrir totalmente nossa natureza espiritual, e ela marcará o início da última expansão  da consciência humana em direção à unificação.

Há apenas um Arrebatamento! O Arrebatamento é uma transformação corporal que acontece através da percepção e da consciência ampliada. Não devemos esperar que Deus nos arrebate. Deus está esperando por nós! Temos que nos abrir à Consciência Divina, para que nossa percepção e energia se expandam o bastante para que ela possa ocorrer. Isso pode demorar um longo tempo para acontecer. A parte importante é que nós sabemos no que estamos trabalhando e o que nosso impulso para alcançar a Unidade pode realizar. E que há mais ajuda chegando, se conseguirmos aprender a nos sintonizar.

É preciso perceber que a pós-vida está bem aqui. Podemos resolver qualquer assunto pendente com nossos entes queridos e receber o conhecimento que eles têm. A chave é fazer o que eles fazem: usar sua Influência e a Lei da Conexão para elevar todas as pessoas em um estado de consciência interconectada. É outro nível de Alinhamento.
Os povos nativos nunca perderam esse dom de se comunicar com o outro mundo. Culturas desenvolvidas desprezam essa consciência, dizendo que era apenas uma forma de reverenciar os ancestrais, mas nós sabemos que essa Conexão é importante desde que os seres humanos adquiriram consciência.

Por causa da Lei da Conexão, tudo o que acreditamos e defendemos – a qualidade de nosso caráter – cria um campo  de Influência que atinge a todas as pessoas com quem interagimos. O campo age para atraí-las ao nosso nível de consciência e comportamento, para o bem ou para o mal, e as duas formas podem facilitar ou dificultar com que outros entrem em Alinhamento. Ao mesmo tempo, nossa Influência individual também se mescla com a Influência exercida por todas as outras pessoas ao redor do globo. A qualquer momento, ela ajuda a estabelecer coletivamente um nível energético de consciência para toda a humanidade.

É a confirmação da afirmação categórica de Kant: Agir e ser como se você realmente fosse, faz com que todos os outros ajam e sejam da mesma maneira.

O texto afirma que a primeira coisa que devemos fazer é manter em mente a balança da influência, plenamente e a todo momento, e lembrar que todo pensamento e toda ação reverberam muito além de nós mesmos.
Também diz aqui que, se um número suficientemente grande de pessoas fracassar ao tentar manter a energia do Alinhamento, o  mundo pode degringolar até chegar a um estado de medo e fúria. Na política, isso significaria que a extrema esquerda e a extrema direita continuarão com sua desumanização mútua, até que um dos lados tome uma atitude extremada, geralmente um ato de despotismo, com o objetivo de dominar a discussão e tomar o controle, advindo da necessidade de salvar o mundo. Na área da ideologia religiosa, a polarização se tornará mais negativa também. O texto afirma que, em alguns casos anteriores, na História, o antagonismo sempre avançou até o ponto máximo da tecnologia existente até então.

O Documento diz que,  se um número suficiente de pessoas se envolver conscientemente e usar sua Influência, poderemos impedir essa guerra de outra maneira.
Diz que a solução é a mesma para todas as épocas. Na política, um centro iluminado, alinhado com uma discussão aberta sobre a verdade, precisa emergir para acabar com a manipulação insidiosa dos eleitores e a corrupção que existe tanto na direita quanto na esquerda.
E na religião, um grupo igualmente sincero, composto por um núcleo que seja tolerante com todas as tradições religiosas, com seus membros buscando a experiência direta à qual tivemos acesso, deve assumir a posição central. Nenhuma tradição tentará impor sua doutrina sobre outras pessoas ou alegar que sua maneira de crer e agir é o único caminho que leva à Conexão Divina. Todas as religiões começariam a enfatizar os aspectos de suas tradições que estão alinhados com essa conexão, de modo a se aproximar mais da verdade, e umas das outras.

Diz aqui que a última parte da Décima Primeira Integração ocorre quando as pessoas que estão em Alinhamento em todos os lugares, em todas as culturas e religiões, começam a se sintonizar conscientemente umas com as outras.

Devemos nos conectar conscientemente no ágape. Não somente com as pessoas com quem estabelecemos contato visual, como também com todas as pessoas ao redor do mundo. Fazemos isso quando visualizamos intencionalmente essa Conexão ocorrendo de maneira plena em nossas mentes. O Documento diz que, quando essa Conexão é estabelecida, a influência natural dos indivíduos envolvidos é ampliada várias e várias vezes.

Em primeiro lugar, temos que amplificar o ágape uns com os outros, e com o Grande Espírito também.
Em seguida, o texto diz que devemos projetar o ágape para grupos ainda maiores, com a intenção de estabelecer a Unidade com todos os que estão genuinamente buscando uma Conexão espiritual, independente de suas religiões, especialmente com aqueles que estão abaixo de nós.

Conclusão: Todas as tradições acreditam que Deus é uma presença real, mas isso só foi enfatizado e visualizado como algo realmente possível pelos ensinamentos religiosos mais esotéricos.
Reconheçam sua presença com gratidão e a ligação se fortalecerá. Isso conectará nossa conclusão-modelo final a todas as pessoas ao redor do mundo que estão sentindo o mesmo.

O texto diz que a Décima Segunda ativa as trilhas culminantes em nosso cérebro. Ela integra todas as Integrações. Pensem sobre a sensação que a Presença lhes causa.
A Décima Segunda diz que, se uma quantidade suficiente de pessoas permanecer nesse Alinhamento e nessa Presença, o Plano pode se tornar algo consciente na cultura da humanidade.
Com esse conhecimento, um centro iluminado surgirá na política. A civilidade e o encanto poderão voltar à cultura humana. E todos os governos e todos os campos do empreendedorismo e esforço humano passarão a ter um estado superior de integridade.
E o que acontecerá com os Modelos de Acordo?
O Documento diz que os Modelos de Acordo farão com que cada tradição se aproxime gradualmente do reconhecimento da Presença, permitindo que as diferenças entre as religiões sejam menos excludentes. A reconciliação criará uma união impressionante quando todos souberem que é possível fazer isso. Tudo está nos números. Depende apenas de quantas pessoas conseguirem permanecer em Alinhamento.

A Décima Segunda diz que muitas pessoas serão necessárias para transformar o mundo e começar a criar o mundo ideal, indicado pelas profecias.
Muitas, apenas para começar. O Documento menciona novamente que, no decorrer da História, vários grupos menores alcançaram o ponto em que estamos agora e não foram capazes de progredir além dele. O mundo ainda está imerso no medo. E, como vimos, os riscos estão ficando cada vez maiores.

RESUMO

Primeira Integração – Sustentar o Fluxo da Sincronicidade
Segunda Integração – Manter a verdade
Terceira Integração - Descobrir as leis da nossa natureza espiritual.
Quarta Integração – Lei do Carma – Alinhamento grupal
Quinta Integração – Conexão Divina com as premonições e a Sincronicidade necessárias para estarmos protegidos.
Sexta Integração – ninguém deve pensar que o seu caminho é a única  maneira de alcançar a Conexão Divina.
Sétima Integração – Mostra como ampliar ainda mais a Sincronicidade, unindo as mentes com o eu mais elevado de outra pessoa, de maneira consciente.
Oitava Integração – Intenção da Unidade – Arrebatamento
Nona Integração – O ágape com a Mãe-Terra tem que ser mantido e estimado. As pessoas precisam comer alimentos limpos para permanecer nesse nível de percepção.
Décima Integração – Consciência de que temos o potencial de trazer o plano da criação de milhões de anos e  trazê-lo completamente para a consciência e manifestação.
Décima Primeira Integração – Ocorre quando as pessoas que estão em Alinhamento, em todos os lugares, em todas as culturas e em todas as religiões, começam a sintonizar conscientemente umas com as outras. Devemos nos conectar conscientemente no ágape.
Décima Segunda Integração – Ela integra todas as integrações. Se muitas pessoas atingirem esta integração, a civilidade e o encanto poderão voltar à cultura humana.

 

 
Próximo >
Últimas Notícias
 
Criação, desenvolvimento e hospedagem de websites.